Vale a pena o financiamento direto do vendedor?

Financiamento

Com o aumento da taxa de juros da economia e o esvaziamento dos recursos da poupança, os bancos passaram a oferecer menos crédito e mais caro do que há alguns anos, o que pode ser uma má notícia para quem está em busca de adquirir uma propriedade imobiliária. Porém, não é preciso desanimar, pois são várias as maneiras de se obter recursos para compra de um imóvel.

Uma dessas opções é contar com o próprio vendedor, por meio do financiamento direto. Mas será que realmente é mais vantajoso entrar nesse tipo de financiamento? É isso o que você vai descobrir no post de hoje!

Imóvel na planta

Dificilmente empreendimentos são custeados exclusivamente pelos seus adquirentes finais. Quando você opta por comprar um imóvel na planta, onde está previsto que o imóvel será entregue muito antes de você terminar de pagar, alguém está financiando esta construção, seja um banco, sejam outras entidades, como a própria incorporadora.

Eventualmente a incorporadora tem recursos próprios suficientes ao empreendimento, e resolve dispensar financiamentos de outras fontes para reduzir seus custos, aumentando seus ganhos. Poderá inclusive, em razão da necessidade de manter alinhado seus adquirentes finais durante o prazo de espera, prestar melhor assistência e serviços, personalizar imóveis, negociar termos, reduzir burocracia.

A prática de financiar diretamente os adquirentes não é coisa nova. Quando não havia estímulo ao crédito imobiliário como passou a haver em passado recente, muitas incorporadoras já ofereciam crédito próprio, arcando com tais riscos, pois essa era a única forma possível de exercerem sua atividade.

Nesse caso, cabe exclusivamente ao adquirente final avaliar a possibilidade da incorporadora cumprir com todo o combinado: ao adquirir um imóvel na planta com financiamento direto, você deve considerar a situação geral da empresa no mercado. Ela possui muitos imóveis em atraso? Qual é o nível de satisfação dos compradores que já receberam imóveis dela?

Verifique também as prestações previstas para após a entrega: você poderá pagar essa prestação proposta pela incorporadora? Averiguar isso previamente é, inclusive, um sinal de boa fé de ambos lados da venda e compra.

Essas são perguntas simples, mas essenciais para quem está prestes a se vincular num empreendimento assim. Incorporadoras oferecendo condições muito facilitadas de venda, também podem estar em situação financeira delicada. Se este for o caso, o ideal é evitar este empreendimento e procurar outra opção.

Imóvel pronto

Quando decide adquirir um imóvel, você normalmente já tem estabelecidas relações com alguma ou várias instituições bancárias, seja por causa do salário ou por outras operações financeiras realizadas.

Além de ser mais próprio às instituições financeiras lidar com as questões de crédito, seguros, administração de riscos, devemos lembrar que elas têm o melhor acesso a recursos com taxas reduzidas para os empréstimos de longo prazo. Veja o caso do crédito imobiliário: não é dinheiro de FGTS e de poupança, em sua maioria, que o  financia?

É justamente aqui que reside a dúvida: quais vantagens eu posso ter no financiamento direto junto à incorporadora, já que talvez eu possa consegui-lo junto ao meu banco?

De maneira geral, as instituições financeiras são bem rigorosas quanto à documentação, tanto do imóvel, quanto das partes vendedora e compradora. Se não houver tudo em perfeita ordem, o financiamento não tem chances de ser aprovado, e essa é uma das razões a justificar o financiamento direto: menos burocracia… mas talvez menos segurança, pois você pode não saber e estar adquirindo um problema para resolver mais adiante.

Bancos parcelam a compra de imóvel em até 25, 30 anos, com prestações bem menores que nos financiamentos em 10 ou 15 anos das incorporadoras. Porém, se a sua renda, ou seu estilo de vida, lhe permitem pagar prestações mais altas que o seu banco aceitaria, e você tem a possibilidade de quitar o financiamento em prazos relativamente curtos, pode ser uma boa opção financiar direto e evitar a burocracia bancária.

Mesmo sabendo que incorporadoras oferecem financiamento com taxas de juros mais altas que os bancos, é útil lembrar que nem todos os financiamentos bancários são iguais, e há situações em que os bancos também exigem taxas elevadas. Outros termos menos lembrados, mas muito relevante que sejam levados em conta, são o índice de correção do saldo devedor e das prestações, as taxas acessórias, os seguros exigidos, etc.

Em qualquer caso, vale comparar as opções a que você tem acesso, pois de suas possibilidades dependerá a melhor opção.

Imóvel de particular

Para quem acha impossível um particular financiar o comprador de sua propriedade, bem vindo ao mundo das infinitas opções!

Além de perfeitamente possível, ainda que não muito comum, esse é um negócio que pode ser bom e seguro, valendo todos os comentários já feitos acima sobre o financiamento direto da incorporadora, e assim como essas empresas estão fazendo nesses tempos de redução geral do crédito, não seria de todo mal que, aqueles que o pudessem, considerassem a hipótese de financiar seus compradores como forma de dar liquidez e valorizar seus próprios negócios.

Por fim, a decisão de entrar em um financiamento imobiliário é bastante relevante e decidir pelo financiamento direto pode abreviar a aquisição do imóvel, mas não é uma solução indiscutível e seu agente imobiliário deverá ser capaz de auxiliá-lo nas considerações.

Ainda tem alguma preocupação ou dúvida sobre o financiamento direto? Deixe um comentário para nós!

Compartilhe, curta, recomende:

Deixe um comentário