Corretor de imóvel: parceria com outros corretores é uma boa estratégia

imagem ilustrativa de parceria

O corretor de imóvel sabe muito bem o quanto o mercado imobiliário é exigente com o profissional. Afinal, a profissão requer um vasto conhecimento sobre inúmeras variáveis e muita criatividade e empenho para lidar com as demandas dos clientes e com os desafios que a concorrência apresenta todos os dias.

Para quem atua individualmente, mesmo o trabalho mais árduo e dedicado, às vezes, não é suficiente para garantir que o sucesso seja frequente. Por outro lado, para quem busca formar parcerias com outros corretores, ampliando sua capacidade de ação, as oportunidades se multiplicam, aumentando também as possibilidades de ganhos.

Continue a leitura deste post e saiba como as boas parcerias podem favorecer o seu desempenho e como elas podem ser formadas.

Dividindo tarefas

A corretagem de imóveis é composta por múltiplas tarefas, que vão desde a prospecção de clientes, até a conclusão de um negócio. Nesse intervalo, é preciso qualificar a necessidade do paciente, avaliar o imóvel, analisar a documentação, divulgar a demanda ou a oferta nos canais adequados, atender as possíveis contrapartes, tornar claras todas as condições do negócio, conciliar interesses, e fazer o fechamento, com todas as implicações burocráticas e de segurança que ele demande. E se o comprador precisa de financiamento, também é conveniente prestar assessoria na busca pelo crédito.

Ora, para que tudo isso seja cumprido com eficiência, são necessárias muitas interações com os clientes — vendedores e compradores, locadores e locatários — e talvez muito tempo de maturação, não é mesmo? Podem ser necessárias várias reuniões pessoais, bem como a juntada e apresentação prévia de materiais diversos, por exemplo. E todo esse trabalho deve ser feito com boa disposição, aparência bem cuidada e, é claro, com a simpatia que os clientes merecem receber.

De fato, se o corretor de imóveis atua sozinho, torna-se dispendioso enfrentar com qualidade todas essas múltiplas tarefas. Assim, muitas vezes, ele escolhe atender a um número reduzido de clientes para ter a possibilidade de prestar um bom serviço.

Por outro lado, se o corretor de imóveis entende que dividir as tarefas pode ser uma boa ideia, o trabalho pode se tornar mais eficiente e, por consequência, os resultados podem ser muito melhores.

Somando competências do corretor de imóvel

Não há dúvidas de que o bom corretor de imóvel é aquele que sabe cumprir com qualidade todas as tarefas inerentes à profissão. Por outro lado, existem aquelas atividades nas quais a pessoa se sente mais à vontade e realiza com maior desenvoltura, enquanto em outras ela atua com menor satisfação e desempenho.

Por exemplo, há corretores que preferem atuar na oferta de imóveis, enquanto outros se sentem melhor atendendo às demandas de compradores.

Fato é que as habilidades se complementam. Portanto, quando exercemos aquelas funções para as quais nos sentimos mais competentes e deixamos as demais para outros corretores que se sintam melhor com elas, atuamos com maior satisfação e alcançamos melhores resultados.

Escolhendo os parceiros

As parcerias podem ser feitas com um ou com vários corretores. Uma pareceria ampla permite até a criação de uma equipe de trabalho colaborativo, o que é ótimo!

Porém, seja para trabalhar com somente um colega ou com vários deles, para que essa estratégia dê certo, é essencial que a escolha da parceria seja feita com critério. De nada adianta reunir uma dupla ou formar um grupo entre pessoas que não se dão bem e que não compreendem a importância da parceria.

Portanto, é essencial que uma boa conversa preceda o início do trabalho em conjunto. Ela é indispensável para que as disposições de cada um para as tarefas sejam avaliadas e também para estabelecer as regras e a forma de divisão das atividades.

Mantendo a transparência sempre

Uma das principais regras da boa parceria é manter a máxima transparência em todas as relações, tanto com os clientes, quanto com os demais parceiros. Esse é um aspecto essencial, uma vez que a parceria precisa ser consolidada sob a mais absoluta confiança.

Traçando um plano comum

Também é essencial que os parceiros mantenham o foco voltado para as mesmas intenções. Caso contrário, cada força puxará para um lado e, o que poderia ser benéfico para todas as partes, acaba atrapalhando o conjunto.

Sendo assim, comece definindo o tipo de mercado em que os parceiros vão atuar. Em seguida, defina as metas a serem alcançadas.

Por exemplo, suponhamos que um grupo de corretores parceiros se propôs a trabalhar o segmento de apartamentos de quatro quartos de alto padrão ou de luxo. Portanto, é preciso que seja definida uma meta para captação desse tipo de imóvel, deixando claro quem ficará responsável pelo cumprimento de cada parte dela.

Por outro lado, os corretores que se comprometeram com a prospecção de clientes também devem assumir um compromisso de realizar tantas ligações ou de visitar um determinado número de clientes todos os dias.

Assim, é possível criar um planejamento comum que permitirá que todos trabalhem no mesmo sentido.

Divulgando a carteira de clientes e de imóveis

Além de dividir o trabalho de maneira a torná-lo mais produtivo, o compartilhamento de informações é uma das grandes vantagens que o trabalho em parceria pode oferecer. Dessa forma, as informações sobre um imóvel que tenha sido captado por um corretor poderá chegar com maior rapidez ao outro, que tem um cliente com o perfil para aquele imóvel e assim, tudo pode acontecer de forma bem mais dinâmica!

Transformando concorrência em parceria

Nesse ponto é bom considerar que existem parcerias mais próximas e parcerias menos próximas. Para as mais próximas é necessário haver total confiança, transparência e alinhamento de ideias.

Porém, para as parcerias menos próximas, basta estabelecer um tipo de contato que permita que a informação flua de maneira organizada e clara. Nesse tipo de parceria, aquele corretor que antes era visto como um concorrente, mesmo sem muita proximidade, pode se tornar um parceiro.

Aliás, esse é um aspecto importante. Em grande medida, a concorrência mal orientada entre corretores é desfavorável a todos, inclusive ao tomador do serviço. Há situações, por exemplo, em que dois ou mais corretores lutam para atender a uma mesma demanda, e, não tendo o acompanhamento total dela, acabam por concentrar o valor do seu serviço, apenas nas fases finais de fechamento, deixando o cliente à deriva nas fases intermediárias do processo.

Portanto, do ponto de vista do profissional é interessante pensar que vale muito mais a pena ter alguma participação em um negócio que seja concretizado do que não ter qualquer participação no negócio perdido, e do ponto de vista do tomador do serviço, é muito melhor poder contar com a assistência integral e coordenada do que um vácuo de assistência e a percepção de que, talvez, esteja pagando muito por pouco serviço.

Disputando de forma saudável

Isso não significa que o espírito de disputa tenha que ser deixado de lado, uma vez que as disputas são importantíssimas para quem lida com vendas. Elas estimulam a competitividade e fazem com que as pessoas procurem superar a si mesmas, o que é muito bom.

Porém, com a parceria bem estruturada, é possível para o corretor de imóvel pensar em uma disputa saudável, que possa aumentar o número de acertos e ampliar a produção.

Se você deseja saber mais sobre como trabalhar em parceria, entre em contato conosco. Teremos enorme prazer em ajudar!

Compartilhe, curta, recomende:

Deixe um comentário