É vantagem alugar imóvel sem fiador? Entenda mais

Será que vale a pena alugar imóvel sem fiador? Embora a fiança seja a mais tradicional das garantias de locação imobiliária, a lei e o mercado admitem outras alternativas capazes de proteger, em maior ou menor grau, o interesse do locador.

Essas opções são utilizadas, especialmente, nas situações em que o locatário não dispõe ou não quer dispor de fiadores em condições ou dispostos a assumir os encargos da locação em seu lugar.

Confira a seguir como funcionam as outras garantias de locação possíveis no mercado de locações imobiliárias urbanas brasileiro e avalie qual delas servirá para você admitir no seu contrato de aluguel.

 

Seguro-fiança

Trata-se de uma das formas de garantia com maior aparência de segurança. Para constituí-la o inquilino adquire uma apólice que tem o proprietário do imóvel como beneficiário. Em caso de inadimplência, ou seja, sinistro, a seguradora assume as despesas do inquilino em seu lugar.

Optando pelo seguro-fiança, o locador escolhe a abrangência das cobertura, podendo incluir, além do aluguel, o pagamento de outras despesas, como IPTU, condomínio, repintura, danos ao imóvel, multas contratuais, disciplinares, etc.

O que ocorre é que, normalmente, ou as seguradoras limitam a extensão dessas coberturas, ou cobram um prêmio muito alto para elas, muitas vezes inviabilizando a oferta pelo inquilino.

Em comparação com a fiança, tem a vantagem de um certo conforto para o proprietário: em geral, pouca burocracia e relativamente baixo tempo de espera para receber valores em atraso.

Algumas vezes também é mais acessível para o inquilino, porque as seguradoras, quando em convênio com a imobiliária, podem eventualmente parcelar o valor do seguro por todo período do contrato. Não é a regra, mas pode ocorrer.

Depósito caução

Nesta modalidade, o inquilino deposita um valor fixo em uma conta e fica reservado para ressarcir o proprietário se houver inadimplência de qualquer cláusula contratual.

Por lei, a expressão monetária desse depósito não pode ultrapassar três vezes o valor aluguel, o que pode dificultar bastante a vida do locador, caso ele não gerencie com muita habilidade o contrato, especialmente a inadimplência. 

Ao final do contrato, se completamente solucionadas todas as questões da locação sem necessidade de usar a garantia, esta retorna para o locatário, corrigido na mesma forma do depósito em caderneta de poupança.

Para o locatário, o eventual desconforto é precisar do dinheiro para, por exemplo, firmar uma nova locação e precisar constituir a mesma garantia, e o seu depósito não ser liberado em tempo, por qualquer razão que seja, e não necessariamente por culpa do locador atual.

Fundos de investimento

Esta alternativa é menos utilizada. Por meio dela, o inquilino realiza uma aplicação financeira específica, ou um título de capitalização, que fica vinculado à locação, e não deve poder ser resgatada independentemente por qualquer das partes enquanto não for completamente resolvida a locação.

Para decidir se vale a pena alugar imóvel sem fiador, o proprietário deve ficar atento à situação do mercado, aos riscos que está disposto a correr e à capacidade dos inquilinos de oferecerem garantias. E lembre-se que imóvel desocupado, além de não gerar renda, pode significar um prejuízo mensal, já que ainda tem obrigações correntes a pagar.

Enfim, nossa opinião é que, em matéria de garantias locatícias, qualquer que seja a solução adotada, não há céu de brigadeiro.

Gostaria de saber um pouco mais sobre as garantias de locação? Então baixe nosso e-book sobre o assunto e tenha ainda mais subsídios para definir qual a melhor alternativa para você.

Compartilhe, curta, recomende:

Deixe um comentário