O que você deve considerar ao vender um imóvel no centro de São Paulo

centro de São Paulo

Saber o que considerar ao vender um imóvel no centro de São Paulo pode fazer toda a diferença no momento de criar sua abordagem ao comprador. Afinal, você sabe: vender imóveis exige muito conhecimento e estratégia, pelo menos se você quiser se diferenciar dos demais em um mercado já tão disputado como o imobiliário

Se você vem buscando formas de fazer isso mas ainda não sabe como, continue lendo. Separamos algumas informações importantes para você.

Quais as principais características do centro de São Paulo?

O centro de São Paulo, como acontece na maior parte das grandes cidades brasileiras e mundo afora, possui facilidades que não são encontradas tão facilmente em outras regiões da metrópole.

O fácil acesso ao comércio, transporte público, escolas, hospitais, farmácias, agências bancárias, shopping centers, parques, lazer e cultura faz com que seja uma área de interesse para corretores e imobiliárias que querem oferecer imóveis nesse perfil.

Além disso, o custo de vida e o valor das residências costuma ser um pouco mais em conta do que em regiões mais nobres, ao mesmo tempo em que preserva essa série de vantagens citadas anteriormente. 

Outro ponto essencial para entender o perfil do morador do centro de São Paulo é que grande parte dos residentes vive sozinha, algo que nem sempre é lembrado mas que é atestado por senso realizado pelo IBGE, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Sabendo disso, o corretor tem condições de vender imóveis no centro de SP de forma estratégica, sabendo apresentar ao cliente em potencial os benefícios de morar nessa região e fornecendo dados e informações qualificadas para melhor auxiliá-lo na sua decisão.

Quais as melhores estratégias de vendas?

Com a transformação digital, tudo mudou, principalmente a forma como as pessoas compram ou contratam bens e serviço. Sendo  corretor, seu papel de fonte de informações sobre imóveis e locais perdeu certa importância, já que provavelmente o cliente comprador terá acesso a elas mediante alguns cliques.

Por esse mesmo motivo, na introdução deste post, falávamos sobre a necessidade de se atualizar a fim de se tornar um bom profissional. Existem algumas práticas que você pode desenvolver desde já. Algumas delas estão logo abaixo: confira!

Encare a venda como uma consequência do bom relacionamento com o cliente

Uma tática ultrapassada de venda é querer “empurrar” o imóvel para o comprador (se é que algum dia isso realmente funcionou). Hoje, com a livre circulação da informação, o cliente tem totais condições de argumentar com o corretor e criar objeções diversas quanto ao que está sendo oferecido.

Adotar uma postura aguerrida em vez de se aliar ao cliente é uma das piores estratégias possíveis. Aproxime-se de seu comprador e entenda o que ele realmente precisa para que seu atendimento seja a solução que procura.

Conheça bem a sua carteira de imóveis e propicie alternativas

Outro impacto direto da transformação digital sobre a negociação de imóveis é o grande acesso que os clientes em potencial têm às ofertas disponíveis no mercado. O corretor que não puder ou não quiser alcançar tais opções para seu cliente estabelecendo parcerias profissionais está fadado a limitar a sua atuação severamente.

Em vez disso, conheça muito bem o que está vendendo e transmita total confiança ao comprador. Se um determinado imóvel que você pensava ser o ideal para o cliente não é o que imaginava, não hesite em apresentar opções e demonstrar que sabe do que está falando.

Defina sua flexibilidade na negociação antes mesmo de começar

Com tantas informações e ofertas à mão do cliente, é natural que as negociações tendam a ser cada vez mais flexíveis no que diz respeito a preços, prazos, garantias etc. Porém, um negócio imobiliário só se realiza quando as partes envolvidas terminam com seus objetivos satisfeitos, e você, profissional, deve estar muito atento a isso, não é mesmo?

Antes mesmo da negociação começar, já se inteire dos limites objetivos de cada parte e estude as posições recíprocas para que você realmente possa ajudar no deslinde da questão. Não permita  que a negociação comece ou prospere no sentido de sua inviabilidade, ou mesmo que caia numa condição em que não possa ao menos remunerar condignamente o seu trabalho. 

Conheça o seu cliente de antemão

Use os tempos digitais ao seu favor e aproveite que as redes sociais já fornecem informações variadas sobre uma pessoa por uma rápida pesquisa utilizando seu nome e sobrenome.

Veja qual o estilo de vida dela, visão de mundo e motivações. Isso ajudará a desenvolver uma relação mais assertiva com ele no processo de negociação.

Não deixe o seu cliente perdido na era da informação

O excesso de informação disponível hoje de nada vale se a pessoa não souber como usá-lo, concorda? Um dos maiores diferencias de um bom corretor de imóveis é justamente esse: guiar o comprador por meio de tantas ofertas e dados que chegam até ele constantemente.

Demonstre que você é o profissional que será capaz de direcioná-lo de forma correta e confiável e terá conquistado mais um cliente.

Como são os bairros do centro de São Paulo?

Agora que você já sabe as melhores estratégias de venda de imóveis praticadas hoje, chegou a hora de entender um pouco melhor o perfil dos bairros do centro de São Paulo.

Abaixo, separamos alguns dos principais bairros dessa região. Confira!

Vila Mariana

A Vila Mariana é certamente um dos bairros mais charmosos e badalados de SP por unir tradição, modernidade e uma vida cultural diversa e animada. Divide-se entre casas antigas e prédios modernos, e usos diversos, havendo um comércio também pujante.

O perfil sócio-econômico dos seus moradores é marcado por renda per capita acima de 3,6 mil reais e é uma excelente opção para quem gosta de estar em uma região central e com opções diversas de cultura, comércio e lazer.

Bela Vista

Região de consolidação mais antiga e marcada por tradições que a Vila Mariana ainda não tem, que propicia boa qualidade de vida a menores custos: essa é a Bela Vista.

Sede de importantes hospitais como o Hospital 9 de Julho e Sírio-Libanês, instituições educacionais como a Fundação Getúlio Vargas, além de importantes estabelecimentos do circuito cultural da cidade como o MASP – Museu de Arte de São Paulo, além dos maiores e mais importantes teatros.

Praticamente servida por toda extensão do metrô que passa pela Av. Paulista (Linha Verde), também hoje recebe investimentos expressivos para ampliação do serviço com novas linhas e estações, além das grandes avenidas de integração com o restante da capital, a Bela Vista é um excelente local para estabelecer residência.

Estima-se que, em média, um imóvel residencial na região possa ser adquirido pelo equivalente a R$ 7.500,00/m2 útil, sendo que variações em torno desse preço se justificam pela variabilidade de perfis dos imóveis lá existentes, já que compreende prédios mais ou menos modernos, em toda sua extensão territorial.

República

A República integra o centro histórico de São Paulo e abriga pontos importantes da cidade como a Praça da República, a Câmara Municipal, o Teatro Municipal e o cruzamento entre as avenidas Ipiranga e São João, além do Largo do Arouche.

Servida por duas linhas de metrô, Vermelha e Amarela, certamente é um ponto estratégico para quem pensa em morar no centro de São Paulo.

É importante lembrar ainda que tem sido cada vez mais comum encontrar imóveis compactos, que podem ir de 25 a 40 metros quadrados, nessa região da cidade. O perfil da família brasileira mudou e a busca por praticidade contribui para reconfigurar as residências em São Paulo. 

Se você gostou dessas dicas sobre vender imóveis no centro de São Paulo, deixe seu comentário. Será um prazer discutir com você sobre formas de ser ainda mais estratégico em suas vendas.

Compartilhe, curta, recomende:

Deixe um comentário