Como determinar o preço ou avaliar um imóvel?

avaliação de imóvel

Antes de comprar ou vender um imóvel é fundamental determinar a expressão econômica que reflita o seu valor, ou melhor, estabelecer um preço compatível com os benefícios que ele oferece, num dado momento. Essa avaliação leva em consideração uma série de fatores e, mais do que isso, a combinação deles.

Uma avaliação correta tende a refletir o preço real do imóvel, permitindo uma negociação mais equilibrada. Para garantir que você está comprando ou vendendo por um valor justo, descubra com o post de hoje o que deve ser considerado para bem avaliar um imóvel.

Localização

A localização de um imóvel é um dos poucos fatores que não podem, absolutamente, ser modificados, e por isso mesmo, é o que maior influência têm sobre o seu valor.

Seja por motivos de segurança, da existência de equipamentos públicos, da disponibilidade de transporte de qualidade, da facilidade de acesso, da qualidade da vizinhança, da topografia local ou da oferta de comércio e serviços nas proximidades, a localização “puxa”, para cima ou para baixo, o valor de um imóvel, assim como seu preço. Por exemplo, imóveis próximos ao centro da cidade, que tenham uma boa vizinhança ou que estejam em bairros bem servidos daquilo que as pessoas acreditem ser benefícios para sua vida, de modo geral, têm preços mais altos se comparados com outros de igual qualidade, mas que estejam em outro local menos privilegiado.

Apesar disso, considera-se também a projeção da localização, já que muitas vezes um bairro pode ainda não ser totalmente valorizado, mas dar sinais de desenvolvimento ou enobrecimento em um futuro próximo. As perspectivas futuras de médio prazo, portanto, influenciam o valor.

Tamanho

O tamanho é o segundo fator mais importante na hora de avaliar um imóvel. Considerando apenas o tamanho, a tendência é que o imóvel maior tenha um preço mais elevado.

O conceito de tamanho porém não deve estar restrito a apenas o espaço em si, normalmente expresso em número de metros quadrados de área, mas também à própria divisão e utilidade do imóvel, como a quantidade de cômodos úteis ou o espaço disponível no terreno restante.

Por exemplo, uma casa de três quartos tende a ter um valor mais elevado do que uma casa de apenas um quarto, ainda que tenham a mesma área, assim como um apartamento em condomínio com mais áreas externas utilizáveis, é mais valioso que outro sem as mesmas instalações.

Estado de conservação

Outro fator importante é o estado de conservação. Um imóvel mais antigo ou que sofra de diversos problemas tende a ser desvalorizado em relação a um imóvel mais jovem ou que passou por reformas recentes.

Imóveis reformados, mesmo antigos, oferecem muitos benefícios ao comprador, e por isso são mais valorizados. Reformas que resultam em boa valorização são aquelas que corrigem vícios e problemas, tornam o imóvel mais útil como a colocação de armários, aumento de número de banheiros ou de outras instalações que todo mundo use, as que melhoram a salubridade, a economia, o conforto e a praticidade como por exemplo, a introdução de melhorias que contribuam com a iluminação e ventilação naturais e com a incidência de sol, as que aproveitem melhor os recursos naturais ou diminuam o impacto sobre o meio ambiente, as que tornem mais fáceis os trabalhos de manutenção, conservação e limpeza, e finalmente, as que comuniquem um ar mais contemporâneo e atual.

Estrutura do imóvel

Como o imóvel é disposto e como está sua estrutura também conta na avaliação. Assim, um imóvel com uma estrutura parcialmente comprometida ou com problemas terá um valor bem abaixo de um imóvel com estrutura sólida e segura.

Problemas estruturais podem incluir problemas em calhas e tubulações, infiltrações e rachaduras, afundamentos de solo, entre outros. Se não forem consertados antes da venda, afetam diretamente a avaliação do imóvel.

Também podemos creditar à conta da estrutura, itens como a qualidade de acabamentos, condições das fachadas, níveis de propagação de som, entre outros.

Comparação com outros imóveis

O método mais comum – e o recomendado – para avaliação de imóveis urbanos é a comparação com outros imóveis semelhantes, e de preferência, que tenham sido negociados recentemente.

Para bem comparar devem-se escolher imóveis com características parecidas e analisar a partir do preço pelos quais foram vendidos ou estão sendo ofertados, com os devidos ajustes. A partir daí é possível ter-se uma referência para o estabelecimento de um preço adequado para o imóvel.

Ajuda de um corretor

Essas considerações dão uma ideia de como se faz para avaliar um imóvel. Porém, para ter uma avaliação bem-sucedida, é fundamental contar com o trabalho de um corretor. Isso porque esse profissional está apto a considerar as tendências de mercado e todas as características do imóvel para conseguir chegar a um valor mais acertado.

Avaliar um imóvel inclui considerar fatores que vão além de meramente o tamanho do imóvel. Para avaliar com mais acerto é fundamental considerar o conjunto desses fatores, no que a ajuda de um corretor de imóveis tem sua utilidade.

Qual é a sua experiência a respeito do valor de um imóvel? Qual é o fator que você considera mais importante? Tem mais alguma informação que queira compartilhar? Deixe sua opinião nos comentários!

Compartilhe, curta, recomende:

Deixe um comentário